Pesquisa Arqueológica na Cidade do Inter

No ano de 2014 o Sport Club Internacional e o Estado do Rio Grande do Sul firmaram um Termo de Permissão de Uso de um imóvel localizado no Município de Guaíba/RS. A permissão tem por finalidade a utilização da área para investimentos em atividades esportivas, culturais, sociais e de lazer.

O objetivo do Sport Club Internacional é utilizar o espaço para a criação de um centro de treinamento esportivo de forma integrada à um complexo de turismo, educação e lazer. O empreendimento denominado Cidade do Inter, leva em conta o envolvimento com a comunidade e também a preocupação com a preservação do patrimônio ambiental e cultural.

A gleba possui uma área total de 96,06 hectares, todavia, o perímetro a ser efetivamente utilizado abrange cerca de 40,99 hectares, o restante corresponde à área de preservação (VICROSKI, 2016).

O terreno está localizado no município de Guaíba/RS, junto à divisa com o município de Eldorado do Sul/RS, na Avenida Comendador Ismael Chaves Barcellos (Estrada do Conde), nas margens do estuário do Guaíba, praticamente em linha reta em relação ao Complexo Beira-Rio e Parque Gigante situados na margem oposta no município de Porto Alegre/RS (Figura 1).

mapa-de-localizacao

Figura 1 – Localização geral da Cidade do Inter e do Complexo Beira-Rio. Fonte: Sírius Estudos e Projetos Científicos (Imagem: Google Earth Pro)

No ano de 2015 foram iniciados os estudos necessários ao licenciamento ambiental do empreendimento. Em 2016 as atenções se voltaram ao patrimônio arqueológico. Em atendimento ao Termo de Referência Específico emitido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), a empresa Sírius Estudos e Projetos Científicos Ltda elaborou o Projeto de Avaliação de Impacto ao Patrimônio Arqueológico. A pesquisa coordenada pelo arqueólogo Fabricio J. Nazzari Vicroski conta com o apoio institucional do Núcleo de Pré-História e Arqueologia da Universidade de Passo Fundo (NuPHA/UPF).

A etapa de campo encontra-se em fase de execução (Figuras 2 à 5), todavia, o estudo já mostrou-se indispensável para a preservação do patrimônio arqueológico, uma vez que foram identificados vestígios relacionados ao Sítio Arqueológico Arroio do Conde.

dscn0200

Figura 2 – Atividades de prospecção arqueológica. Fonte: Sírius Estudos e Projetos Científicos

dscn0105

Figura 3 – Atividades de prospecção arqueológica. Fonte: Sírius Estudos e Projetos Científicos

dscn0004

Figura 4 – Pesquisa arqueológica nas margens do Arroio do Conde. Fonte: Sírius Estudos e Projetos Científicos

dscn9995

Figura 5 – Observação do perfil estratigráfico. Fonte: Sírius Estudos e Projetos Científicos

Inicialmente o sítio foi identificado na década de 1970 junto à margem esquerda do arroio do Conde, no atual município de Eldorado do Sul/RS, mais especificamente na propriedade ocupada pelo Instituto de Pesquisas Veterinárias Desidério Finamor. O sítio arqueológico é reconhecido pela sua destacada relevância científica, uma vez que serviu como estudo de caso para o pesquisador Francisco Silva Noelli, cuja dissertação de mestrado defendida em 1993 constitui uma obra de referência no tocante à compreensão do modelo de assentamento e do processo de subsistência dos povos guarani pré-coloniais (VICROSKI, 2016; HILBERT, 2001).

Os resultados ainda são preliminares, mas segundo a arqueóloga Cristine Mallmann pode-se buscar uma analogia com os resultados da pesquisa realizada no Sítio Arqueológico Santa Rita, situado a cerca de 3km ao sul do empreendimento. “A escavação então realizada pela equipe de pesquisadores do CEPA/PUCRS, revelou o contexto de uma aldeia guarani com vestígios de habitações, instrumentos líticos e cerâmicos, além de carvão e ossos. As datações revelaram datas de ocupação entre os séculos XV e XVI” (HILBERT, 2001; OLIVEIRA & RAUBER, 2010). A continuidade das pesquisas na Cidade do Inter poderá contribuir para a compreensão de uma eventual relação entre essa aldeia e os vestígios identificados nas margens do arroio do Conde.

Até o presente momento a pesquisa relevou a presença de fragmentos de cerâmica guarani dispersos próximo à margem direita do arroio, concentrados principalmente na área de preservação permanente (Figuras 6 à 10).

dscn0029

Figura 6 – Arroio do Conde. Fonte: Sírius Estudos e Projetos Científicos

dscn0075

Figura 7 – Identificação de fragmento de cerâmica guarani. Fonte: Sírius Estudos e Projetos Científicos

dscn0089

Figura 8 – Fragmento de recipiente cerâmico guarani. Fonte: Sírius Estudos e Projetos Científicos

dscn0079

Figura 9 – Fragmento de cerâmica guarani. Fonte: Sírius Estudos e Projetos Científicos

dscn0196

Figura 10 – Fragmentos cerâmicos evidenciados pelas prospecções no subsolo. Fonte: Sírius Estudos e Projetos Científicos

O Sport Club Internacional, através do seu Vice-Presidente de Assuntos Estratégicos, Dr. José Aquino Flores de Camargo, está empenhado em conciliar a viabilização do empreendimento com a preservação do patrimônio arqueológico. Nesse sentido, estão sendo discutidas alternativas e adequações conjuntamente com os arqueólogos e a equipe de arquitetura coordenada pelo arquiteto Fernando Balvedi (Hype Studio). Por ora as prospecções arqueológicas indicam que a área central do sítio está inserida na área de preservação ambiental, portanto, no sentido oposto ao local onde estão previstas as maiores intervenções urbanísticas. “Logo, é possível não somente vislumbrar a preservação do sítio arqueológico, como também projetar a sua integração ao conceito do projeto arquitetônico, promovendo assim a sua turistificação e socialização do conhecimento”, afirma o arqueólogo Fabricio Vicroski.

 

Referências bibliográficas

HILBERT, KLAUS. Levantamento, escavação e valorização dos sítios arqueológicos na área do parque industrial automotivo de Guaíba-RS. Relatório Final. Porto Alegre: CEPA/PUCRS, 2001.

OLIVEIRA, Kelly de; RAUBER, Renata. Relatório de Diagnóstico e Avaliação do Impacto sobre o Patrimônio Arqueológico na Área Afetada pela Instalação da Fábrica Terex Latin America, Município de Guaíba, RS. Porto Alegre: Bourscheid, 2010.

VICROSKI, Fabricio J. Nazzari. Projeto de Avaliação de Impacto ao Patrimônio Arqueológico na Área de Implantação da Cidade do Inter. Projeto de Pesquisa. Erechim: Sírus Estudos e Projetos Científicos, 2016.

 

 

 

 

 

 

 

 


Bolsa de Pós-Doutorado p/ Doutor em Arqueologia na UPF

xSELEÇÃO DE BOLSISTA DO PROGRAMA NACIONAL DE PÓS-DOUTORADO PNPD/CAPES

O Conselho de Pós-Graduação do PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA DA UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO, DECLARA ABERTO O PROCESSO SELETIVO PARA PREENCHIMENTO DE 1 VAGA DE BOLSISTA NO PROGRAMA NACIONAL DE PÓS-DOUTORADO , PNPD/CAPES , para atuar na docência, pesquisa, e extensão considerada  a  Portaria da CAPES n. 086, de 03 de julho de 2013** e Instrução Normativa da VRPPG/UPF n. 03/2013.

1-    TITULAÇÃO EXIGIDA:

Os candidatos devem possuir o título de Doutor em Arqueologia, História, ou áreas afins;

2 – DOCUMENTAÇÃO EXIGIDA

Os documentos listados abaixo deverão ser anexados ao pedido de inscrição e enviados em arquivo pdf:

  1. a) Carta de motivação, redigida pelo candidato em português, justificando seu interesse em atuar no PPGH UPF e destacando suas possíveis contribuições junto ao Programa. No caso de candidatos brasileiros ou estrangeiros com vínculo empregatício*, a carta deverá também explicar as possibilidades de licenciamento da instituição de origem;
  2. b) Plano de Trabalho que deve contemplar: uma proposta de pesquisa (2.500 palavras no máximo); uma proposta de ementa e bibliografia para uma disciplina a ser ministrada no Programa  uma lista de temas que se dispõe a orientar.
  3. d) Cópia do diploma de doutorado (frente e verso)ou da ata de defesa;
  4. e) Currículo Lattes;
  5. f) No caso de candidatos estrangeiros: comprovante de residência no exterior;

3 –  PROCESSO SELETIVO

O processo seletivo será realizado considerando:

  • Analise do Plano de Trabalho
  • Analise do Currículo
  • Entrevista (presencial ou virtual, conforme o caso).

4 –  CRONOGRAMA

  • Inscrições – até 17 de Janeiro de 2017. A inscrição deverá ser enviada para o endereço eletrônico pghis@upf.br
  • Entrevistas – 19 de Janeiro de 2017
  • Resultado Final – 23 de Janeiro de 2017

 

5 – VALOR E VIGÊNCIA

Valor R$ 4.100,00 (quatro mil e cem reais) mensais.

 

A bolsa de pós-doutorado será concedida por 01 (um) ano, com possibilidade de prorrogação de acordo as disposições previstas na Portaria CAPES nº 086, de 03 de julho de 2013. As três modalidades de bolsa PNPD/CAPES são detalhadas na Portaria citada. A tabela/resumo abaixo descreve as principais características de cada uma delas.

 

 

 

 

 

 


Gerenciamento do Patrimônio Cultural: O Componente Arqueológico

capa

A Secretaria Municipal da Cultura de Porto Alegre, através da Coordenação da Memória Cultural, acaba de lançar uma publicação voltada para o gerenciamento do patrimônio arqueológico. O livro intitulado “Gerenciamento do Patrimônio Cultural no âmbito do licenciamento ambiental em Porto Alegre: O componente arqueológico“, foi organizado pelo Arquiteto Luiz Antônio Bolcato Custódio, e conta com artigos dos Arqueólogos Gislene Monticelli, Fernanda Tocchetto e Fabricio Nazzari Vicroski, além dos Arquitetos Felipe Escosteguy, Geisa Bugs e Fausto Bugatti Isolan.

A publicação (Nº 8 da série Memória Cultural) apresenta uma sistematização das ações, experiências e resultados empreendidos pelo poder público na gestão do patrimônio arqueológico em Porto Alegre. O livro também trás uma relação atualizada dos sítios arqueológicos cadastrados, bem como um Mapa de Sítios e Ocorrências Arqueológicos e um Mapa de Evolução da Ocupação Urbana de Porto Alegre (de 1752 à 1956).

Clique AQUI para fazer o download da publicação em formato de E-book, ou nas imagens abaixo para acessar os mapas separadamente.

mapa-1

 

mapa2

 

 

 


Especialização em Cultura Material e Arqueologia

2

Para maiores informações acesse: INFORMAÇÕES

 

 

 

 


Preconceito contra indígenas como requisito para Professor de História

No dia 11 de dezembro de 2016 foram realizadas as provas objetivas do Concurso Público Nº48/2016 da Prefeitura Municipal de Passo Fundo/RS, destinado ao preenchimento de cargos de Assistente de Educação Infantil, de Secretário de Escola e de Professor da Rede Municipal de Ensino.

A execução do processo seletivo ficou à cargo da empresa MS Concursos (Campo Grande/MS), pertencente ao Grupo Sarmento.

Chama a atenção o completo despreparo e ausência de conhecimento histórico dos organizadores no tocante à elaboração da prova destinada aos Professores de História. O problema é evidenciado logo no edital. Os conteúdos de História ignoram cerca de 10 mil anos de História Regional. Os temas de História Antiga se limitam às Civilizações do Antigo Oriente, Mesopotâmicas, Grécia e Roma, sem qualquer menção à História Indígena local ou regional.

Todavia, o erro mais grave e evidente ocorreu na Questão nº 31 do item de “Conhecimentos Gerais e Atualidades”. A questão apresenta três afirmações, cabendo ao candidato identificar as assertivas.  Uma das frases – considerada correta – externa e reforça a ignorância e preconceito em relação à história das populações indígenas da região. A afirmação diz que “Na época da fundação, a região era infestada por índios hostis que atacavam as tropas de mulas” (P. 7). Ora, certamente a limitada capacidade de compreensão do contexto histórico em questão (Conhecimentos Gerais), bem como o total desprendimento em relação aos conflitos fundiários regionais (Atualidades) vai muito além da negligência e preconceito dos organizadores, uma vez que tal contexto possui reflexos diretos na formação dos alunos da rede municipal de ensino.

1

Questão nº 31 da prova para Professor de História

 

Essa situação nos mostra o tamanho da importância da problematização dos conteúdos e da inclusão de tópicos de história pré-colonial e/ou indígena nos cursos de formação de professores, pois infelizmente a afirmação encontrada na prova do concurso é recorrente em meio à grande parte da população regional ou até mesmo nacional, cujo desconhecimento acaba por contribuir para a perpetuação de um discurso historiográfico etnocêntrico e preconceituoso.

Nos resta a esperança de que o preconceito não seja requisito para a investidura em cargos públicos, e que os Professores aprovados tenham a sensibilidade de compreender os processos históricos de ocupação do território, permitindo-os reelaborar a afirmação, evidenciando assim que “na época da fundação, a região era habitada por populações indígenas com costumes e cultura próprias que mostravam-se contrárias à colonização europeia, uma vez que isso representava a aniquilação de seu território, de sua cultura e de seu modo de vida tradicional”.

Clique AQUI para acessar a prova completa.

 

_____________________________________________

Fabricio J. Nazzari Vicroski

Arqueólogo do Núcleo de Pré-História e Arqueologia (NuPHA/UPF)

Doutorando no Programa de Pós-Graduação em História (PPGH/UPF)

fabricioarqueologia@hotmail.com

 

 

 

 

 


Relatora rejeita o Projeto de Decreto Legislativo que pede a anulação da Instrução Normativa IPHAN nº 1/2015

1

No dia 29 de novembro de 2016 foi divulgado o parecer emitido pela Relatora Deputada Alice Portugal (PCdoB-BA), referente à sua relatoria frente ao Projeto de Decreto Legislativo nº 540/2016 de autoria do Deputado Nilson Leitão (PSDB-MT).

O projeto foi apresentado à Comissão de Cultura (CCULT) da Câmara dos Deputados no dia 10 de outubro de 2016, seu objetivo é sustar a aplicação da Instrução Normativa nº 1, de 25 de março de 2015, do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN (Ministério da Cultura).

De forma objetiva e inequívoca o parecer emitido pela Relatora pede a REJEIÇÃO do Projeto, destacando suas incongruências e até mesmo seus erros formais evidentes.

Cabe lembrar que no mesmo dia em que o Projeto de Decreto Legislativo foi submetido à Comissão de Cultura, a agenda parlamentar registrou uma reunião entre o Deputado Nilson Leitão e Geddel Vieira Lima, então Ministro-Chefe da Secretaria de Governo, atualmente acusado de usar o cargo para pressionar o IPHAN em benefício próprio.

O parecer da Relatora Deputada Alice Portugal pode ser acessado na íntegra clicando AQUI.

 

 

 

 

 

 


Curso sobre conservação de obras metálicas

image001